Dendê / Palma

Encontro no Pará aborda cadeia produtiva do dendê


Assessoria Embrapa - 29 mai 2017 - 18:13

O município de Castanhal (PA) sedia na próxima quarta-feira (31) o “I Encontro da Cadeia Produtiva do Dendê: sistema de produção, mercado e desempenho econômico”. O evento é aberto a agricultores, técnicos e estudantes. Durante todo o dia, pesquisadores apresentarão informações e responderão dúvidas do público sobre diversos aspectos da cultura do dendê, como melhoramento genético, adubação, polinização, pragas e doenças, além do desempenho econômico.

De acordo com o diretor de eventos do Sindicato Rural de Castanhal, Eduardo Kataoka, o encontro é uma demanda dos produtores de dendê associados à entidade. No próprio município de Castanhal o cultivo não é expressivo, mas os municípios vizinhos como Igarapé-Açu, Santo Antônio do Tauá e Terra Alta concentram uma grande produção.

Kataoka conta que a maior preocupação atual entre os produtores é o preço da commodity, que sofreu uma queda nos últimos anos. Essa situação, no entanto, deve ser encarada com serenidade, segundo o pesquisador Alfredo Homma, da Embrapa Amazônia Oriental. Ele é um dos palestrantes do encontro e abordará contexto atual e as possibilidades da cultura do dendê. “É comum os cultivos perenes sofrerem baixa temporária nos preços. Tem que ter paciência”, afirma o pesquisador.

O fenômeno decorre, segundo Homma, da diferença de tempo entre o momento de plantar e aquele do início da colheita. Em uma época de preços bons, a cultura perene pode atrair muitos interessados que anos depois, quando se inicia a colheita, vão colocar seus produtos no mercado e influenciar no preço. “O cacau, por exemplo, passou por um momento de preços baixos e hoje já se recuperou”, argumenta.

A expansão e as oportunidades do cultivo do dendê devem ser entendidas em um contexto mais amplo, relacionado ao que Homma chama de um fenômeno de “agriculturização” pelo qual passa o Pará. “A mandioca deixou de ser a cultura com maior área cultivada no estado, cedendo o primeiro lugar à soja. Milho, reflorestamento, dendê e cacau completam o ranking. São plantios que estão avançando sobre áreas de pastagens degradadas”, explica.

Com cerca de 200 mil hectares de dendê plantados, Homma avalia que o Pará pode dobrar essa área para atender ao mercado interno brasileiro, que hoje importa metade do que consome de óleo bruto de dendê e 90% do óleo de palmiste. “São de 400 a 450 milhões de dólares gastos a cada ano com importações. Essas divisas podem permanecer aqui se o país se tornar autossuficiente em dendê”, avalia o pesquisador.

O I Encontro da Cadeia Produtiva do Dendê é promovido pelo Sindicato Rural de Castanhal, Embrapa Amazônia Oriental, Emater e Secretaria de Agricultura Municipal de Castanhal. O evento acontece no Parque de Exposição Pedro Coelho Mota – Av. Presidente Getúlio Vargas, 7354.

Programação:
08h00 – Abertura
08h10 – Mercado do Óleo de Palma no Brasil e no Mundo – Roberto Yokoyama (Câmara Setorial da Palma de Óleo)
08h50 – Melhoramento genético do dendê e do híbrido interespecífico entre caiaué e dendê (HIE OxG) – Pesquisador Rui Gomes
09h20 – Intervalo
09h30 – Sistema de produção de produção do dendê e do HIE OxG – Pesquisador Rui Gomes
10h30 – Tecnologia de fertilizantes para nutrição de palma de óleo – Eduardo Saldanha (Yara Mile)
11h00 – Fertilidade do solo, nutrição e adubação do dendê e do HIE OxG – Vinícius Franzini
12h00 – Almoço
13h00 – Principais doenças da dendeicultura – Pesquisadora Alessandra Boari
13h30 – Manejo integrado de pragas na dendeicultura – Pesquisador Walkymário Lemos
14h00 – Polinização do dendê e do HIE OxG - Márcia Maués
14h30 – Contexto atual e possibilidades da cultura do dendê no Pará – Pesquisador Alfredo Homma
15h10 – Avaliação do desempenho econômico e do potencial de geração de renda da estrutura produtiva de pequena escala de dendezeiro híbrido no nordeste do Pará – Pesquisador Jair Carvalho
15h40 – Encerramento